Todas as Notícias

Notícias 20 Junho 2022

Convite para uma visita diferente aos cemitérios públicos do Rio de Janeiro

Mesmo que cemitério seja o último assunto que se queira pensar na vida, às vezes somos pegos de surpresa para uma ou outra cerimônia de despedida de amigos ou parentes. Foi num desses momentos de reflexão compulsória, que prestei atenção em como os cemitérios públicos da cidade do Rio de Janeiro conseguiram mudar a icônica imagem de tristeza e dor desses locais. Passei a me interessar pelo tema e descobri que tem muita gente de formação universitária realizando estudos científicos e históricos em diversas áreas, organizados em instituições de renome, como a ABEC - Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais. O ponto de partida de todas é entender que não são os cemitérios e funerárias os culpados pelas mortes de nossos entes queridos. Pelo contrário, a atenção aos familiares e os cuidados eternos com as memórias, podem amenizar o desalento da separação e dar novo sentido à vida de quem precisa continuar.

A pandemia ensinou como são preciosos os últimos instantes. E as salas de velório, que no Rio são chamadas de capelas, ajudam nessa função essencial, com a mesma qualidade dos serviços particulares disponíveis para as diversas possibilidades econômicas.

As centenárias estruturas inauguradas pelo Imperador D. Pedro II (Cemitérios São João Batista e São Francisco Xavier), foram totalmente ampliadas em suas capacidades e modernizadas em suas instalações elétricas, hidráulicas e de conforto climático. As referências históricas foram preservadas e restauradas, sem esquecer das práticas ambientais, sociais e de governança, rumo ao padrão internacional ESG.

As mudanças acontecem em todas as unidades, desde a concessão dos serviços públicos para as Concessionárias Rio Pax S/A e Reviver S/A, em 2014, trazendo de volta a dignidade das épocas de ouro dos ídolos populares e dos ilustres personagens que escreveram a história das artes, dos esportes, da literatura, da ciência...

Andar como turista, entre os pássaros e as flores das alamedas arborizadas e repletas de esculturas e obras de arte, ajuda a compor o novo ambiente de tradição e modernidade dos cemitérios públicos cariocas. Afinal, a história do Brasil está escrita nos cemitérios do Rio.

 

Edvaldo Silva é jornalista

(Foto: Jazigo Majestoso no Cemitério do Cajú)

 

 

 

Saiba Mais:

 

 

Turismo Cemiterial

Cemitérios são cidades feitas com histórias de vida. Tendência crescente em todo o mundo, cada vez mais pessoas visitam esses locais em busca de lazer e de cultura. Depois da experiência de sucesso do Père-Lachaise, na França e do La Recoleta, na Argentina, outras comunidades descobriram que seus heróis e ídolos “descansam” nos mesmos cemitérios que seus parentes e amigos.

Alguns confessam que chegaram com medo, mas mudaram a forma de pensar depois que, literalmente, “aproveitaram o momento” para conhecerem também as sepulturas de personalidades famosas. Gostaram tanto da ideia que viraram fãs da nova “atração”.

Baseados no conceito de que “cemitérios são cidades feitas de construções e histórias de vida”, fica fácil entender porque os fantasmas que sempre assombraram o tema da morte estão perdendo espaço para os roteiros culturais ou simples programas alternativos com gosto de aventura. É mágico ver o espírito de curiosidade abrir as portas do conhecimento. As pessoas que visitam os cemitérios, com olhos de ver e de entender as diferentes significações dos túmulos, descobrem maravilhas muito além dos nomes e epitáfios gravados nas lápides. Escondidas nas pedras, nas obras de arte e nos estilos de época, vivem verdadeiros retratos do tempo, uma volta ao passado contada de forma até mais atraente que na maioria dos museus convencionais.

 

Projeto Cultural Queridos para Sempre! na Rio Pax

No Rio de Janeiro, a exemplo dos cemitérios mais conhecidos do mundo, os milhares de visitantes do São João Batista também podem conhecer ou lembrar detalhes da vida de seus heróis e ídolos enquanto caminham pelas obras assinadas por grandes nomes das artes plásticas e da arquitetura tumular. Mais de duzentos códigos QRCode, criados para celulares com internet, estão identificando os túmulos escolhidos para o novo roteiro de interesse turístico da cidade. Quem aponta smartphones ou tablets para os códigos descobre biografias, fotos, vídeos e outras curiosidades.

Pela grande quantidade de artistas, atletas, políticos e outras pessoas famosas ali sepultadas, desde a sua criação em 16 de outubro de 1851, o São João Batista é conhecido como "o cemitério das estrelas", com centenas de ricos mausoléus e artísticas ornamentações. Personalidades como Carmem Miranda, Santos Dumont, Cazuza, Tom Jobim, Donga, Clementina de Jesus, Heitor Villa Lobos, Osvaldo Cruz, Di Cavalcanti, Cândido Portinari, Oscar Niemeyer, Clara Nunes, Padre Guido, Chacrinha, Vicente Celestino, Nelson Gonçalves, Didi Folha Seca, Marechal Rondon, além de nove ex-presidentes da república e imortais da Academia Brasileira de Letras, estão entre os selecionados para a primeira fase do Projeto Cultural Queridos para Sempre, em parceria com a Concessionária Rio Pax, administradora da necrópole municipal.

 

 

 


Projeto Cultural Queridos para Sempre! na Reviver

Pela data de nascimento e pelas características construtivas, o São Francisco Xavier é considerado o irmão gêmeo do Cemitério São João Batista. Enquanto o SJB recebia os ricos moradores de Botafogo, o Caju recebia os ricos moradores de São Cristóvão, os bairros mais importantes dos tempos da Capital do Império.

A Concessionária Reviver desenvolve uma proposta cultural, que se inicia pelo Caju para chegar a todos os outros cemitérios da rede. Dezenas de códigos QRCode, criados para celulares com internet, vão identificar os túmulos escolhidos para o novo roteiro de interesse cultural da cidade. Bastará apontar “smartphones” ou “tablets” para os códigos e descobrir fotos, vídeos, textos biográficos e outras curiosidades, além de poder deixar mensagens virtuais nas páginas publicadas na web. Além das personalidades, serão catalogados os túmulos com relevantes expressões artísticas, considerando a construção e a ornamentação.

Noel Rosa, Tim Maia, Paulo Sérgio, Agepê, Waldick Soriano, Dolores Duran, Emilinha Borba, Orlando Silva, Jamelão, Cartola, Dona Zica, Dona Neuma, Elizeth Cardoso, Ernesto Nazareth, Claudinho, Bezerra de Menezes, Cruz e Souza, Artur de Azevedo, Manuel Deodoro da Fonseca, Presidente Figueiredo, Barão do Rio Branco, Souza Aguiar, Mascarenhas de Moraes, Marechal Hermes e José do Patrocínio são algumas personalidades selecionadas para a primeira fase do Projeto Cultural Queridos para Sempre, no Cemitério do Caju.

 

 

O Projeto Cultural Queridos para Sempre! é responsável pelo resgate e preservação das referências históricas e arquitetônicas encontradas nos cemitérios tradicionais, identificando esses túmulos com placas codificadas e biografias digitais. De olho nas tendências do setor, o serviço se transformou na melhor solução tecnológica, mesmo para quem opta pela cremação, pelos cemitérios-parque ou verticais. Respeitando outros eventuais sistemas adotados, um painel é colocado na entrada dos cemitérios com as “atrações locais”, que passam a ser conhecidas não apenas dos que os visitam presencialmente, como também dos milhões de internautas nos sites de busca.

“Basta de tantas memórias perdidas no tempo”, afirma o professor e historiador Milton Teixeira, que realiza passeios guiados pelas ruas e cemitérios do Rio de Janeiro. “Agora os nomes das ruas, os monumentos, os títulos de muitas instituições farão algum sentido. Essa iniciativa vai facilitar a vida dos pesquisadores e abrir novos campos de trabalho nas cidades. Ainda que os restos mortais não tenham sido preservados, a memória dos Queridos para Sempre estará bem guardada e disponível para todo o mundo”, completa.

O Projeto Cultural Queridos para Sempre! foi criado em 2013, para encantar as pessoas com informações digitalizadas e desenvolver tecnologias que facilitem pesquisas futuras. Aliás, o maior desafio é justamente saber onde estão enterradas as pessoas que fizeram nossa história. Então, observadas as peculiaridades locais e regionais, estabelece parcerias institucionais para a realização de um inventário do patrimônio cultural, considerando as personalidades nos diversos setores e segmentos, bem como os respectivos túmulos e suas expressões artísticas e arquitetônicas.

 

 

Notícias 05 Maio 2022

Dia das Mães nos cemitérios públicos do Rio terá novidades pós-Covid

No primeiro Dia das Mães depois das restrições da pandemia no Rio de Janeiro, as Concessionárias Rio Pax e Reviver, responsáveis pela gestão dos cemitérios públicos da cidade, recebem seus visitantes com missas e inauguração de novos ambientes.

 

Cinzas serão transformadas em árvores no Jardim de Histórias, novo espaço do Cemitério São Francisco Xavier

 

O Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, vai ganhar uma área destinada ao plantio de urnas biodegradáveis que acomodam cinzas humanas e sementes de ipê de várias cores. Com a criação do Jardim de Histórias, a Concessionária Reviver, que administra o cemitério, propõe a ressignificação da partida de entes queridos, além de um novo ritual de despedida, que durante a pandemia não podia acontecer. O novo espaço será inaugurado neste domingo (dia 8), Dia das Mães.

- A pandemia trouxe a impossibilidade do ritual de despedida, momento tão significativo para as famílias. Por isso estamos empenhados em proporcionar experiências diversas e acalentadoras, quando optam pela cremação. Cinzas de restos mortais que forem exumados após três anos também poderão ser plantadas - afirma Sandra Fernandino, diretora da Reviver.

O momento do plantio é seguido por uma cerimônia ecumênica. Cada urna plantada recebe a identificação do ente falecido e permanece no jardim até que as mudas, já crescidas, possam ser remanejadas para outras áreas do cemitério. Durante este período, elas são cuidadas pela equipe de jardinagem do cemitério, treinada para realizar o trabalho - que envolve, sobretudo, sensibilidade e acolhimento.

O Jardim de Histórias está estrategicamente localizado bem próximo ao crematório. Segundo Crisa Santos, neuroarquiteta responsável pelo projeto de revitalização do Cemitério São Francisco Xavier, os ipês – que florescem entre o final do inverno e começo da primavera – simbolizam a renovação. “Nutridas pelas cinzas, que se tornam adubo, elas são, em essência, árvores de lembranças vivas”, explica.

 

 

 

No Cemitério São João Batista, a homenagem será na histórica Capela S. João Batista, restaurada pela Rio Pax

 

No Cemitério São João Batista, a Rio Pax e a Arquidiocese do Rio de Janeiro - Ministério Extraordinário da Consolação e Esperança, realizam missas às 9, 10 e 11 horas.

A homenagem às mães falecidas acontece na histórica Capela S. João Batista, patrimônio restaurado em 2015 e entregue à comunidade católica, responsável por confortar milhares de famílias desde os tempos do Império.

Inaugurada por Dom Pedro II, em 1873, foi projetada pelo famoso arquiteto Francisco Joaquim Bitencourt da Silva, que também assina o Colégio Pedro II, o CCBB, a Torre da Glória e o pórtico do SJB, entre outras conhecidas referências culturais do Rio de Janeiro.

O trabalho recuperou as cores originais da capela de estilo neoclássico. Além da impermeabilização e pintura, também foram recuperadas as instalações elétricas e hidráulicas. O piso em ladrilho hidráulico, o altar esculpido em mármore de carrara, a imagem de São João Batista e os vitrais feitos pelo artista alemão Conrado Sorgenitsh, também foram entregues totalmente renovados.

 

Notícias 01 Novembro 2021

A volta das homenagens presenciais no Dia de Finados. Veja novas imagens

Neste primeiro Dia de Finados sem as restrições de visita aos cemitérios, em razão da pandemia de Covid-19, o movimento ainda não será intenso como nos anos interiores. As chuvas, o feriado prolongado e o medo de contágio devem atrapalhar o retorno das homenagens presenciais aos familiares e amigos falecidos.


Os protocolos de prevenção, como o uso de máscara, álcool em gel e o distanciamento social, ainda são necessários apesar da dispensa da obrigatoriedade em locais abertos, mas celebrações de diversas religiões estão confirmadas.

 


Os cemitérios da cidade do Rio receberão visitas das 7h às 18h da terça-feira. (Foto da primeira edição)

No São João Batista e demais unidades da Concessionária Rio Pax, os visitantes serão recepcionados com plantão de informações, serviços de utilidade pública e atendimentos emergenciais de saúde.

A Concessionária Reviver abre o São Francisco Xavier (Caju) com missas celebradas de hora em hora, a partir das 8h. O Arcebispo do Rio, dom Orani João Tempesta deve encerrar a programação de missas às 14h no Cemitério vertical Memorial do Rio, em Cordovil (foto); e às 16h30 no cemitério de Santa Cruz, na ala dos falecidos indigentes.

 

Novidades nos bairros

Entre os cemitérios públicos, a Rio Pax deve apresentar como novidade as novas salas de velório e os centros de atendimento, construídas com altos padrões de qualidade e conforto ambiental. Os bairros de Inhaúma, Irajá, Campo Grande e de Jacarepaguá já receberam o novo conjunto de obras, além das ampliações das capacidades.  

 

 

 

 

 


 

Queridos para Sempre!


Quem visita os cemitérios São João Batista (em Botafogo) e o São Francisco Xavier (no Caju), encontra placas de aço com o código QR nos jazigos de centenas de famosos sepultados desde o período Imperial. É o Projeto Cultural Queridos para Sempre!


Basta apontar o smartphone ou tablet com acesso a internet para o código de barras, para saber mais sobre sua história, com fotos, vídeos, textos biográficos e outras curiosidades.


No "Cemitério das Estrelas", os QRCodes estão instalados nas sepulturas mais visitadas, como as de Cândido Portinari, Santos Dumont, Olavo Bilac, Graciliano Ramos, Carmem Miranda, Cazuza, Tom Jobim, Clara Nunes, Chacrinha, Vicente Celestino, Aracy de Almeida, Nelson Gonçalves, Didi Folha Seca, Marechal Rondon, Presidente Dutra e Castelo Branco. O local recebe turistas de vários países que visitam sua coleção de obras de arte  tumular.


No Caju, as homenagens estão em túmulos de personalidades como: Noel Rosa, Tim Maia, Paulo Sérgio, Agepê, Waldick Soriano, Dolores Duran, Emilinha Borba, Orlando Silva, Jamelão, Cartola, Dona Zica, Dona Neuma, Elizeth Cardoso, Ernesto Nazareth, Claudinho, Bezerra de Menezes, Cruz e Souza, Artur de Azevedo, Manuel Deodoro da Fonseca, Presidente Figueiredo, Barão do Rio Branco, Souza Aguiar, Mascarenhas de Moraes, Marechal Hermes e José do Patrocínio.


Além de perpetuar a história das famílias e de seus entes queridos, a novidade promete facilitar a vida de quem não quer deixar trabalho para os amigos e parentes. Assim, qualquer pessoa pode deixar pronto o seu epitáfio digital, a sua mensagem de vida para a posteridade, sem esquecer nada e nem ser esquecido. O serviço também surge como opção para instituições e empresas que pensam em homenagear seus falecidos membros, diretores e clientes de uma forma original. Visite QRidos

 

 

 

 

 

 Galeria de Imagens

(Fotos de Ronaldo Milani e Sandro Augusto)

 

O Exército Brasileiro, que mantém no S. J. Batista o Mausoléu da FEB - Força Expedicionária Brasileira, realiza a exposição que mostra o Brasil na 2ª Guerra Mundial.

 

 

Campo Grande 

 

 Jacarepaguá

 

Guaratiba

 

Murundu

 

 Ricardo de Albuquerque

 

 Santa Cruz

 

 

 

 

 

 

Notícias 01 Novembro 2021

Concessão dos Cemitérios do Rio inspira Concessão dos Cemitérios de São Paulo

A Prefeitura do Município de São Paulo retomou o processo de concessão dos 22 cemitérios públicos da capital para o setor privado. Foram feitas adequações à proposta inicial, barrada pelo Tribunal de Contas em três tentativas. O plano do prefeito Ricardo Nunes é passar toda a administração do serviço funerário para a iniciativa privada. A Prefeitura diz que os cemitérios precisam de reformas e ampliações, além da criação de outros três crematórios, e que o caixa do município não suporta esse gasto. A solução encontrada pelo Rio de Janeiro em 2014, abriu as portas para o setor privado.


O valor total previsto para a concessão é de R$ 559 milhões. Além disso, as empresas que arrematarem os quatro lotes deverão repassar 4% da arrecadação mensal para o município. No prazo total dos contratos - que será de 25 anos - a Prefeitura estima que irá arrecadar R$ 6 bilhões. Segundo o edital, as concessionárias deverão reformar os velórios, as capelas, as áreas administrativas e de serviços de todos os cemitérios, além de ampliar o serviço de crematório. Atualmente, a cidade só possui um crematório público, o da Vila Alpina.

 

No Rio de Janeiro a concessão deu certo e deve estimular outras cidades


Em 2014 a gestão dos 13 cemitérios cariocas foi transferida para as Concessionárias Rio Pax S.A. e Reviver S.A., inaugurando uma nova história no setor cemiterial e funerário da cidade. Milhões em investimentos privados deram mais dignidade aos ambientes e aos familiares, depois de ações de modernização e de treinamento do pessoal. Reformas de emergência e ampliações com milhares de jazigos também solucionaram o velho problema da falta de capacidade para novos sepultamentos.


Segundo usuários e gestores do órgão coordenador dos serviços, a cidade teria vivido um verdadeiro caos durante a pandemia do coronavírus, sem as concessionárias. "Nem dá para imaginar como seria", afirmam.


As instalações dos seis cemitérios da Rio Pax, por exemplo, foram inicialmente reformadas e os cemitérios históricos devidamente restaurados. Depois, as antigas capelas deram lugar à novas construções, amplas, modernas e confortáveis, como nos bairros de Inhaúma, Campo Grande, Irajá e agora em Jacarepaguá.

 

 

 

 

 

Notícias 11 Outubro 2021

90 Anos - Cristo Redentor, braços abertos sobre o São João Batista

O monumento mais conhecido do Brasil, o Cristo Redentor, eleito uma das sete maravilhas do mundo moderno e incluído na lista de Patrimônios da Humanidade pela UNESCO, completa 90 anos neste dia 12 de outubro, também consagrado à Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.

Localizada no topo do morro do Corcovado, a 709 metros acima do nível do mar, no Parque Nacional da Tijuca, a estátua do Cristo abraça a cidade do Rio e aponta com o braço direito para o cemitério mais famoso do país, o São João Batista, onde também descansa o criador do projeto, engenheiro e professor da Escola Politécnica, Heitor da Silva Costa (Rio de Janeiro, 25 de julho de 1873 — Rio de Janeiro, 21 de abril de 1947).

 


Assista a reportagem completa produzida pela Empresa Brasileira de Comunicação - EBC e veiculada pela TV Brasil.

 

Turismo Cemiterial

Inaugurado por Dom Pedro II em 1852, o São João Batista ocupa uma área de 183.123 metros quadrados em plena zona sul do Rio de Janeiro, aos pés do Cristo Redentor. Com centenas de ricos mausoléus e sepulturas adornadas por esculturas, reconhecidas obras da arte tumular brasileira, o cemitério sempre foi “o preferido dos astros e das estrelas”.


Segundo o Projeto Cultural Queridos para Sempre! no São João Batista também estão outros engenheiros e arquitetos que escreveram a história, como Oscar Niemeyer, Lúcio Costa, André Rebouças, Francisco Bethencourt da Silva, Edsom Passos e Saturnino Brito. Antes da pandemia, turistas de vários países visitavam as centenas de personalidades que em vida tiveram destaque nas áreas da política, da ciência, da arte, do esporte e da cultura, como Santos Dumont, José de Alencar, Machado de Assis, Osvaldo Cruz, Vital Brazil, Cândido Portinari, Di Cavalcanti, Heitor Villa Lobos, Carlos Drumond de Andrade, Carmem Miranda, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Chacrinha, Clara Nunes, Cazuza, Evaristo da Veiga, nove ex-presidentes da República e diversos membros da nobreza e autoridades do período colonial. Destacam-se, ainda, os incontáveis heróis e militares de todas as armas, que ajudaram a defender e a escrever a história do Brasil.

 

A Maior Galeria de Art Nouveau

A grande quantidade de túmulos, esculturas e monumentos de diversas temporalidades, materiais e estilos, deram ao São João Batista o título de "maior galeria de Art Nouveau a céu aberto na América Latina".


O pórtico do cemitério se destaca por ser trabalhado em blocos de belo granito fluminense (Gnaisse Facoidal), encimada pela tarja da emblemática da Santa Casa de Misericórdia. Outro elemento construtivo de caracterização de época é o gradil de ferro monumental, produzido nas fundições fluminenses. No Cemitério São João Batista há elevado número de jazigos - capela de famílias burguesas inspirados nos estilos híbridos do início do século XX, construídos por marmoristas portugueses, italianos e brasileiros. Existem inúmeras obras de artistas que se dedicaram a feitura de esculturas funerárias, como Rodolpho Bernadelli, Octávio Corrêa Lima, Heitor Usai, Celita Vaccani, Leão Veloso e Humberto Cozzo. Destacam-se também obras dos escultores franceses Jean Magrou e Colin George, dos escultores italianos J. Guazzini, B. P. Giusti, Luca Arrighini e A. Canessa. 

 

Visão exclusiva do Cristo Redentor

O monumento foi concebido pelo engenheiro brasileiro Heitor da Silva Costa e construído em colaboração com o escultor francês Paul Landowski e com o engenheiro compatriota Albert Caquot, entre 1922 e 1931 na França, devido o pensamento dos franceses, de que os brasileiros não tinham experiência para construir a estátua. Foi inaugurada no dia 12 de outubro de 1931, dia de Nossa Senhora Aparecida e fica no bairro do Alto da Boa Vista.

Símbolo do cristianismo brasileiro, a estátua se tornou um ícone do Rio de Janeiro e do Brasil. Em 2011, em uma pesquisa de opinião pela internet, o Cristo Redentor foi considerado por 23,5 % de 1 734 executivos de todos os países da região como o maior símbolo da América Latina. O monumento também é um importante ponte de visitação, que recebe, em média, 2 milhões de turistas por ano. O Cristo Redentor é feito de concreto armado e pedra-sabão. Tem trinta metros de altura, sem contar os oito metros do pedestal, e seus braços se esticam por 28 metros de largura. A estátua pesa 1145 toneladas e é a terceira maior escultura de Cristo no mundo, menor apenas que a Estátua de Cristo Rei de Świebodzi na Polônia (a maior escultura de Cristo no mundo) e a de Cristo de la Concordia na Bolívia (a segunda maior escultura de Cristo no mundo).

 

Copie e compartilhe na sua rede social:


Fontes: Wikipédia e Queridos para Sempre

Notícias 09 Maio 2021

Mães e filhos em Homenagens Precoces pelos cemitérios do Brasil

Apesar de proibidas ou não recomendadas, as visitas aos cemitérios neste Dia das Mães acontecem no clima da tristeza antecipada pela pandemia de coronavírus.

A pergunta que mais se ouvirá de filhos e de mães é "porque tão cedo?".  Por diversas razões, nunca tantos filhos e tantas mães perderam a vida de forma tão precoce, antecipando as homenagens que as famílias prestam nos cemitérios no Dia das Mães.

Aos que insistirem nesta visita, fica a recomendação das autoridades: máscara no nariz e na boca, distanciamento social e álcool em gel.

Notícias 14 Março 2021

Vítimas da Covid 19 ganham Memorial Queridos para Sempre! nos Cemitérios

Perdeu Alguém para a Covid? Conhece Alguém?

A pandemia está provando que os momentos de despedida, quando existem, são insuficientes para dizer como as pessoas foram importantes em nossas vidas. Especialistas afirmam que as homenagens amenizam a dor da perda e ajudam o tempo do luto a passar com mais leveza, mesmo que muitos anos tenham se passado. Por tudo isso, as vítimas da Covid 19 estão ganhando o Memorial Queridos para Sempre!

Toda cidade tem seus Queridos para Sempre. Pessoas que deram a vida por seus familiares, ou para salvar vidas de outras famílias. Hospedado nas nuvens, o Queridos para Sempre! é um Memorial Digital que inova na forma de prestar homenagem e de contar a história dessa tragédia para as futuras gerações.

O Memorial poderá ser visitado na internet (queridosparasempre.com), onde cada nome abre uma página, que as respectivas famílias podem completar com fotos, história de vida e homenagens dos amigos. No mundo real, quem visitar sedes de instituições patrocinadoras e cemitérios públicos ou privados, também poderá encontrar a placa de aço do Memorial e um código QRidos, lido com celular e internet. As listagens de cada cidade são as oficiais, fornecidas pelos órgãos públicos, cartórios ou cemitérios locais. Novas inclusões serão possíveis mediante atestados de óbito.

O Memorial Queridos para Sempre! é uma inicativa da StartUp Melhor Cidade, que nasce alinhada aos princípios da pandemia. As pessoas aprenderam a viver na internet e muitas não terão condições de visitar os cemitérios. Além disso, as cidades, impactadas pela crise econômica, podem prestar homenagens às vítimas e suas famílias de forma inovadora e de mínimo custo, sem necessidade de grandes obras. De seus celulares, todos podem visitar o Memorial da Cidade, cujas placas estarão espalhados pelos órgãos públicos, instituições privadas e nos cemitérios.

A pandemia do novo coronavírus é a maior tragédia da história recente do Brasil e do mundo, com efeitos trágicos para milhões de pessoas. Com a proibição de velórios e cerimônias de despedida, além das restrições à presença nos enterros, a iniciativa facilita e abre oportunidade para que os cemitérios públicos e particulares sejam a referência natural das homenagens de seus municípios em respeito às famílias.

Quem assistiu ao filme Festa no Céu - Livro da Vida, foi apresentado a três mundos: o dos "Vivos", o dos "Esquecidos" e o dos "Lembrados". O famoso desenho animado mostra o jeito mexicano de lidar com a realidade da morte, onde o mundo dos Lembrados é colorido e animado, enquanto o dos Esquecidos é cinza e triste.

 

Placa de Aço Personalizada para Cemitérios Públicos e Particulares, Instituições, Empresas e Órgãos Públicos.

 

Print de uma capa de página na tela do celular.

 

 

Informações sobre participação das cidades e cemitérios, pelo email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. 

 

Notícias 02 Novembro 2020

Cemitérios do Rio recebem menos visitantes no Finados da Pandemia

Como já era esperado, o movimento nos cemitérios públicos e privados do Rio de Janeiro foi menor, em relação aos anos anteriores. Apesar da flexibilização, muitos preferiram ficar na segurança de suas casas ou aproveitar o feriado prolongado. No período da tarde, porém, o sol apareceu e o movimento aumentou.

As administrações cumpriram as determinações da prefeitura, medindo temperaturas e fornecendo alcool em gel, além de controlar a formação de grandes grupos m túmulos famosos. As tradicionais cerimônias foram suspensas ou limitadas.

Alguns cemitérios escolheram mostrar novidades na estrutura de atendimento e as ampliações da disponibilidade de jazigos ecológicos. (Veja reportagem sobre a Concessionária Rio Pax)

 


Imagens enviadas do Cemitério São João Batista:

 

 

 

 

 

 

 

Imagens enviadas do Cemitério de Campo Grande:

 

 

 

 

Imagens enviadas do Cemitério de Inhaúma:

 

 

 

 

Imagens enviadas do Cemitério de Jacarepaguá - Pechincha

 

 

 

 

Imagens enviadas do Cemitério de Irajá:

 

 

Notícias 31 Outubro 2020

Concessionária vai apresentar novos serviços e obras no Finados

Com as restrições impostas pela pandemia, os cemitérios do Rio de Janeiro estão proibidos de receber seus visitantes com os movimentados eventos de todos os anos. Assim, a Concessionária Rio Pax escolheu apresentar ao público do Cemitério São João Batista, as duas novidades que serão implantadas nos cemitérios sob sua gestão.

Em sintonia com a legislação ambiental e o padrão de qualidade da empresa, a RioPax inaugura no SJB o serviço de sepultamento em construção vertical. Com a entrega das obras, a capacidade de atendimento do "Cemitério Mais Famoso do Brasil" foi ampliada, cumprindo a primeira fase do maior projeto de expansão da rede pública municipal.

A unidade oferece gavetas verticalizadas de 8 a 12 "andares", operadas por modernas plataformas elevatórias que sobem as urnas até os jazigos. O local escolhido tem a visão mais exclusiva do Cristo Redentor, uma das sete maravilhas do mundo moderno.

De acordo com Ronaldo Milano, Diretor Cemiterial e dos Serviços Funerários da concessionária, a inovação tecnológica e a escolha de materiais garantem segurança para a natureza e beleza compatível com os históricos jazigos em mármores e granitos. Nesta nova tecnologia internacional de sepultamentos, a presença de oxigênio e a formação de gases nas sepulturas são absolutamente controlados por equipamentos, garantindo a completa qualidade do ar e o isolamento do solo, preservando as eventuais reservas aqüíferas. "Nosso projeto de inovação representa um "upgrade" na gestão ambiental da rede, respeitadas as tradições religiosas de cada família", afirma.

 

SAINDO DO PAPEL

As novas construções do Projeto São João Batista, que lembram os famosos "jardins suspensos", seguem em ritmo acelerado e serão entregues em 2021. O complexo vai criar novas capelas para velórios em ambientes confortáveis e totalmente climatizados, além de inaugurar o primeiro crematório da Zona Sul do Rio. Facilidades como sinal de internet e sanitários privativos serão alguns dos itens disponíveis para visitantes e familiares durante as cerimônias de despedida.

 

 

 

 

NÚCLEO DE APOIO AO FAMILIAR

Outra inovação no setor é a inauguração dos Núcleos de Apoio ao Familiar, espaços para atendimento personalizado em toda sua rede de cemitérios. Começando pelo São João Batista, Inhaúma e Irajá, esses canais garantem soluções para todos os demais, até a fase de pós-atendimento.

Segundo a diretoria, o Núcleo é garantia de qualidade total dos serviços prestados aos clientes e associados, desde as vendas e compras de sepulturas perpétuas até os serviços de zeladoria, obras, homenagens e planos associativos.

 

 

FINADOS DA PANDEMIA

As visitas aos cemitérios do Rio são esperadas em número bastante reduzido, em relação aos anos anteriores. A expectativa, porém, é que a presença nos cemitérios volte a crescer nas próximas semanas. Muitas pessoas que não puderam participar dos sepultamentos durante o período de isolamento total, devem comparecer aos cemitérios neste Finados.
O São João Batista, que durante o ano inteiro recebe turistas de vários países em apreciação das atrações culturais de suas celebridades e obras de arte, espalhadas por alamedas floridas, será um bom termômetro do novo comportamento dos visitantes nesta fase de flexibilização.

 


NOTA DA PREFEITURA

A Prefeitura do Rio informa que as Concessionárias Reviver e Riopax (que administram sete e seis, respectivamente, dos 13 cemitérios públicos do Município) manterão seu efetivo à disposição no atendimento aos visitantes para dirimir quaisquer dúvidas e também na prestação de serviço a todos que forem aos cemitérios a partir de amanhã (31/10) e, principalmente, no dia de finados (2/11).

O horário de funcionamento dos cemitérios na cidade durante o feriado de finados, de 31/10 a 02/11, será das 7h às 18h. Mas, conforme o movimento de visitantes, o horário poderá ser ampliado para às 19h, de acordo com decisão da administração de cada cemitério.

E, considerando o período de pandemia, os protocolos de segurança serão reforçados; assim como a disponibilização de álcool em gel e obrigatoriedade do uso de máscara dentro dos cemitérios.  

Este ano, em virtude da pandemia, as Concessionárias Reviver e Riopax não promoverão nenhuma atividade especial. Quanto à entrada da população, a administração de cada cemitério dará garantia de segurança aos visitantes; fazendo com que seja respeitado o uso de máscara, álcool em gel e todos os protocolos serão reforçados.

Com relação aos sepultamentos no dia de finados (02/11) não haverá nenhuma alteração neste período do feriado. Os enterros ocorrerão de acordo com os protocolos que já estão sendo realizados até o momento, ou seja, sem aglomeração, com número reduzido de parentes/amigos, uso obrigatório de máscara, além do tempo máximo de 30 minutos de velório, antes do sepultamento.

 

Notícias 09 Julho 2020

40 sem Vinícius e 30 sem Cazuza. E por falar em saudade, onde andam vocês?

"Chega de Saudade!"

O brado poético de Vinícius de Moraes bem poderia ser tema de um filme sobre a pandemia de coronavírus, que no ano de 2020 marcou para sempre na história da humanidade. Longe dos amigos e dos amores, a perda de familiares queridos, vítimas da Covid-19, deu novo significado para a dor da saudade, eternizada em tantas canções. Mas enquanto esse tempo ruim não passa, as pessoas seguem fazendo tudo "pro dia nascer feliz", como cantou Cazuza.

"E por falar em saudades, onde andam vocês?"

Pela primeira vez nesses 40 anos sem Vinícius e 30 anos sem Cazuza, o 9 julho e o 7 de julho foram datas de pouco movimento no São João Batista. As visitas e homenagens dos fãs foram adiadas, seguindo as recomendações da Prefeitura do Rio e da Organização Mundial da Saúde - OMS, contra aglomerações em velórios e cemitérios.

 

Projeto Cultural e Turismo Cemiterial

Desde que assumiram a gestão dos cemitérios públicos do Rio de Janeiro, as Concessionárias Rio Pax S.A. e Reviver S.A. adotaram o Projeto Cultural Queridos para Sempre! que identifica o patrimônio histórico e abre essas informações para a visitação pública.

Hoje, quem visita os principais cemitérios do Rio, berço da história do Brasil, encontra um código QRidos em vários jazigos de personalidades e pessoas famosas. Basta apontar o smartphone ou tablet na direção do código de barras gravado em placa de aço, para saber mais sobre quem está sepultado ali, suas obras, fotos, vídeos, textos biográficos e eventuais curiosidades.

A novidade começa na entrada do cemitério, onde um código gravado em totem ou placa de acrílico, abre as páginas dos homenageados pelo projeto cultural. Implantada inicialmente no Japão e Estados Unidos, a tecnologia permite que qualquer pessoa com celular e internet, aproveite as experiências do Projeto Cultural, que pode incluir visitas guiadas, realidade virtual, e até apresentações de teatro e música em datas especiais.

Segundo o consultor Edvaldo Silva, o Queridos para Sempre! foi criado para encantar as pessoas com informações prontas e desenvolver tecnologias que facilitem pesquisas futuras. Aliás, o maior desafio é justamente saber onde estão enterradas as pessoas que fizeram nossa história. Então, observadas as peculiaridades locais e regionais, o Projeto estabelece parcerias institucionais para a realização de um inventário do patrimônio cultural, considerando as personalidades nos diversos setores e segmentos, bem como os túmulos nas diversas expressões artísticas e arquitetônicas. Desta forma, desvenda parâmetros para as necessárias ou sugestivas intervenções decorrentes deste levantamento inicial, principalmente em face da responsabilidade dos entes públicos sobre a guarda, restauração e preservação de referências culturais.

Em resumo, a proposta é: Pesquisar e identificar os Queridos para Sempre! do cemitério; Prestar Homenagem Digital através de Páginas Eletrônicas e Placas Codificadas; Divulgar os resultados em mapa digital, para ações culturais e visitas autoguiadas ou monitoradas. Os milhares de visitantes desses locais podem conhecer ou lembrar detalhes da vida de seus heróis e ídolos enquanto caminham pelas obras assinadas por grandes nomes das artes plásticas e da arquitetura tumular. Códigos QRCode, criados para celulares com internet, estão identificando os túmulos escolhidos para o novo roteiro de interesse turístico da cidade.

O Projeto Cultural Queridos para Sempre! mudou a forma de se escrever epitáfios e homenagens nas lápides e monumentos históricos. Segundo o professor e historiador Miltom Teixeira, "o turismo cemiterial ganhou uma ferramenta moderna e inovadora, essencial para dar novo significado aos espaços cemiteriais do Brasil, além de amenizar os inevitáveis temas da morte".

  

 

O Projeto no Cajú

Pouca gente sabe, mas personalidades como Tim Maia, Emilinha Borba, Cartola, Dona Zica, Dona Neuma, Dolores Duran, Jamelão, Noel Rosa, Elizeth Cardoso, Paulo Sérgio, Ernesto Nazareth, Waldick Soriano, Procópio Ferreira, Barão do Rio Branco, Bezerra de Menezes, Presidente Figueiredo e dezenas de outros músicos, atores, escritores, poetas, médicos, benfeitores, educadores, empreendedores, militares, nobres e autoridades do Império e da República, descansam no Caju, nome popular do Cemitério São Francisco Xavier.

 

 

São João Batista

Único da zona sul da cidade, o São João Batista é um dos mais ornamentados do país. Pela grande quantidade de artistas, atletas, políticos e outras pessoas famosas, é conhecido como "o cemitério das estrelas", com centenas de mausoléus e esculturas. Personalidades como Carmem Miranda, Santos Dumont, Cazuza, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Donga, Clementina de Jesus, Heitor Villa Lobos, Osvaldo Cruz, Di Cavalcanti, Cândido Portinari, Oscar Niemeyer, Clara Nunes, Chacrinha, Vicente Celestino, Nelson Gonçalves, Didi Folha Seca, Marechal Rondon, além de nove ex-presidentes da república e imortais da Academia Brasileira de Letras estão entre os mais visitados, inclusive por turistas e pesquisadores de outros países.