Todas as Notícias

Notícias 05 Maio 2022

Dia das Mães nos cemitérios públicos do Rio terá novidades pós-Covid

Avalie este item
(0 votos)

No primeiro Dia das Mães depois das restrições da pandemia no Rio de Janeiro, as Concessionárias Rio Pax e Reviver, responsáveis pela gestão dos cemitérios públicos da cidade, recebem seus visitantes com missas e inauguração de novos ambientes.

 

Cinzas serão transformadas em árvores no Jardim de Histórias, novo espaço do Cemitério São Francisco Xavier

 

O Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, vai ganhar uma área destinada ao plantio de urnas biodegradáveis que acomodam cinzas humanas e sementes de ipê de várias cores. Com a criação do Jardim de Histórias, a Concessionária Reviver, que administra o cemitério, propõe a ressignificação da partida de entes queridos, além de um novo ritual de despedida, que durante a pandemia não podia acontecer. O novo espaço será inaugurado neste domingo (dia 8), Dia das Mães.

- A pandemia trouxe a impossibilidade do ritual de despedida, momento tão significativo para as famílias. Por isso estamos empenhados em proporcionar experiências diversas e acalentadoras, quando optam pela cremação. Cinzas de restos mortais que forem exumados após três anos também poderão ser plantadas - afirma Sandra Fernandino, diretora da Reviver.

O momento do plantio é seguido por uma cerimônia ecumênica. Cada urna plantada recebe a identificação do ente falecido e permanece no jardim até que as mudas, já crescidas, possam ser remanejadas para outras áreas do cemitério. Durante este período, elas são cuidadas pela equipe de jardinagem do cemitério, treinada para realizar o trabalho - que envolve, sobretudo, sensibilidade e acolhimento.

O Jardim de Histórias está estrategicamente localizado bem próximo ao crematório. Segundo Crisa Santos, neuroarquiteta responsável pelo projeto de revitalização do Cemitério São Francisco Xavier, os ipês – que florescem entre o final do inverno e começo da primavera – simbolizam a renovação. “Nutridas pelas cinzas, que se tornam adubo, elas são, em essência, árvores de lembranças vivas”, explica.

 

 

 

No Cemitério São João Batista, a homenagem será na histórica Capela S. João Batista, restaurada pela Rio Pax

 

No Cemitério São João Batista, a Rio Pax e a Arquidiocese do Rio de Janeiro - Ministério Extraordinário da Consolação e Esperança, realizam missas às 9, 10 e 11 horas.

A homenagem às mães falecidas acontece na histórica Capela S. João Batista, patrimônio restaurado em 2015 e entregue à comunidade católica, responsável por confortar milhares de famílias desde os tempos do Império.

Inaugurada por Dom Pedro II, em 1873, foi projetada pelo famoso arquiteto Francisco Joaquim Bitencourt da Silva, que também assina o Colégio Pedro II, o CCBB, a Torre da Glória e o pórtico do SJB, entre outras conhecidas referências culturais do Rio de Janeiro.

O trabalho recuperou as cores originais da capela de estilo neoclássico. Além da impermeabilização e pintura, também foram recuperadas as instalações elétricas e hidráulicas. O piso em ladrilho hidráulico, o altar esculpido em mármore de carrara, a imagem de São João Batista e os vitrais feitos pelo artista alemão Conrado Sorgenitsh, também foram entregues totalmente renovados.

 

Lido 3717 vezes
Entre para postar comentários