Todas as Notícias

Notícias 20 Junho 2022

Convite para uma visita diferente aos cemitérios públicos do Rio de Janeiro

Avalie este item
(0 votos)

Mesmo que cemitério seja o último assunto que se queira pensar na vida, às vezes somos pegos de surpresa para uma ou outra cerimônia de despedida de amigos ou parentes. Foi num desses momentos de reflexão compulsória, que prestei atenção em como os cemitérios públicos da cidade do Rio de Janeiro conseguiram mudar a icônica imagem de tristeza e dor desses locais. Passei a me interessar pelo tema e descobri que tem muita gente de formação universitária realizando estudos científicos e históricos em diversas áreas, organizados em instituições de renome, como a ABEC - Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais. O ponto de partida de todas é entender que não são os cemitérios e funerárias os culpados pelas mortes de nossos entes queridos. Pelo contrário, a atenção aos familiares e os cuidados eternos com as memórias, podem amenizar o desalento da separação e dar novo sentido à vida de quem precisa continuar.

A pandemia ensinou como são preciosos os últimos instantes. E as salas de velório, que no Rio são chamadas de capelas, ajudam nessa função essencial, com a mesma qualidade dos serviços particulares disponíveis para as diversas possibilidades econômicas.

As centenárias estruturas inauguradas pelo Imperador D. Pedro II (Cemitérios São João Batista e São Francisco Xavier), foram totalmente ampliadas em suas capacidades e modernizadas em suas instalações elétricas, hidráulicas e de conforto climático. As referências históricas foram preservadas e restauradas, sem esquecer das práticas ambientais, sociais e de governança, rumo ao padrão internacional ESG.

As mudanças acontecem em todas as unidades, desde a concessão dos serviços públicos para as Concessionárias Rio Pax S/A e Reviver S/A, em 2014, trazendo de volta a dignidade das épocas de ouro dos ídolos populares e dos ilustres personagens que escreveram a história das artes, dos esportes, da literatura, da ciência...

Andar como turista, entre os pássaros e as flores das alamedas arborizadas e repletas de esculturas e obras de arte, ajuda a compor o novo ambiente de tradição e modernidade dos cemitérios públicos cariocas. Afinal, a história do Brasil está escrita nos cemitérios do Rio.

 

Edvaldo Silva é jornalista

(Foto: Jazigo Majestoso no Cemitério do Cajú)

 

 

 

Saiba Mais:

 

 

Turismo Cemiterial

Cemitérios são cidades feitas com histórias de vida. Tendência crescente em todo o mundo, cada vez mais pessoas visitam esses locais em busca de lazer e de cultura. Depois da experiência de sucesso do Père-Lachaise, na França e do La Recoleta, na Argentina, outras comunidades descobriram que seus heróis e ídolos “descansam” nos mesmos cemitérios que seus parentes e amigos.

Alguns confessam que chegaram com medo, mas mudaram a forma de pensar depois que, literalmente, “aproveitaram o momento” para conhecerem também as sepulturas de personalidades famosas. Gostaram tanto da ideia que viraram fãs da nova “atração”.

Baseados no conceito de que “cemitérios são cidades feitas de construções e histórias de vida”, fica fácil entender porque os fantasmas que sempre assombraram o tema da morte estão perdendo espaço para os roteiros culturais ou simples programas alternativos com gosto de aventura. É mágico ver o espírito de curiosidade abrir as portas do conhecimento. As pessoas que visitam os cemitérios, com olhos de ver e de entender as diferentes significações dos túmulos, descobrem maravilhas muito além dos nomes e epitáfios gravados nas lápides. Escondidas nas pedras, nas obras de arte e nos estilos de época, vivem verdadeiros retratos do tempo, uma volta ao passado contada de forma até mais atraente que na maioria dos museus convencionais.

 

Projeto Cultural Queridos para Sempre! na Rio Pax

No Rio de Janeiro, a exemplo dos cemitérios mais conhecidos do mundo, os milhares de visitantes do São João Batista também podem conhecer ou lembrar detalhes da vida de seus heróis e ídolos enquanto caminham pelas obras assinadas por grandes nomes das artes plásticas e da arquitetura tumular. Mais de duzentos códigos QRCode, criados para celulares com internet, estão identificando os túmulos escolhidos para o novo roteiro de interesse turístico da cidade. Quem aponta smartphones ou tablets para os códigos descobre biografias, fotos, vídeos e outras curiosidades.

Pela grande quantidade de artistas, atletas, políticos e outras pessoas famosas ali sepultadas, desde a sua criação em 16 de outubro de 1851, o São João Batista é conhecido como "o cemitério das estrelas", com centenas de ricos mausoléus e artísticas ornamentações. Personalidades como Carmem Miranda, Santos Dumont, Cazuza, Tom Jobim, Donga, Clementina de Jesus, Heitor Villa Lobos, Osvaldo Cruz, Di Cavalcanti, Cândido Portinari, Oscar Niemeyer, Clara Nunes, Padre Guido, Chacrinha, Vicente Celestino, Nelson Gonçalves, Didi Folha Seca, Marechal Rondon, além de nove ex-presidentes da república e imortais da Academia Brasileira de Letras, estão entre os selecionados para a primeira fase do Projeto Cultural Queridos para Sempre, em parceria com a Concessionária Rio Pax, administradora da necrópole municipal.

 

 

 


Projeto Cultural Queridos para Sempre! na Reviver

Pela data de nascimento e pelas características construtivas, o São Francisco Xavier é considerado o irmão gêmeo do Cemitério São João Batista. Enquanto o SJB recebia os ricos moradores de Botafogo, o Caju recebia os ricos moradores de São Cristóvão, os bairros mais importantes dos tempos da Capital do Império.

A Concessionária Reviver desenvolve uma proposta cultural, que se inicia pelo Caju para chegar a todos os outros cemitérios da rede. Dezenas de códigos QRCode, criados para celulares com internet, vão identificar os túmulos escolhidos para o novo roteiro de interesse cultural da cidade. Bastará apontar “smartphones” ou “tablets” para os códigos e descobrir fotos, vídeos, textos biográficos e outras curiosidades, além de poder deixar mensagens virtuais nas páginas publicadas na web. Além das personalidades, serão catalogados os túmulos com relevantes expressões artísticas, considerando a construção e a ornamentação.

Noel Rosa, Tim Maia, Paulo Sérgio, Agepê, Waldick Soriano, Dolores Duran, Emilinha Borba, Orlando Silva, Jamelão, Cartola, Dona Zica, Dona Neuma, Elizeth Cardoso, Ernesto Nazareth, Claudinho, Bezerra de Menezes, Cruz e Souza, Artur de Azevedo, Manuel Deodoro da Fonseca, Presidente Figueiredo, Barão do Rio Branco, Souza Aguiar, Mascarenhas de Moraes, Marechal Hermes e José do Patrocínio são algumas personalidades selecionadas para a primeira fase do Projeto Cultural Queridos para Sempre, no Cemitério do Caju.

 

 

O Projeto Cultural Queridos para Sempre! é responsável pelo resgate e preservação das referências históricas e arquitetônicas encontradas nos cemitérios tradicionais, identificando esses túmulos com placas codificadas e biografias digitais. De olho nas tendências do setor, o serviço se transformou na melhor solução tecnológica, mesmo para quem opta pela cremação, pelos cemitérios-parque ou verticais. Respeitando outros eventuais sistemas adotados, um painel é colocado na entrada dos cemitérios com as “atrações locais”, que passam a ser conhecidas não apenas dos que os visitam presencialmente, como também dos milhões de internautas nos sites de busca.

“Basta de tantas memórias perdidas no tempo”, afirma o professor e historiador Milton Teixeira, que realiza passeios guiados pelas ruas e cemitérios do Rio de Janeiro. “Agora os nomes das ruas, os monumentos, os títulos de muitas instituições farão algum sentido. Essa iniciativa vai facilitar a vida dos pesquisadores e abrir novos campos de trabalho nas cidades. Ainda que os restos mortais não tenham sido preservados, a memória dos Queridos para Sempre estará bem guardada e disponível para todo o mundo”, completa.

O Projeto Cultural Queridos para Sempre! foi criado em 2013, para encantar as pessoas com informações digitalizadas e desenvolver tecnologias que facilitem pesquisas futuras. Aliás, o maior desafio é justamente saber onde estão enterradas as pessoas que fizeram nossa história. Então, observadas as peculiaridades locais e regionais, estabelece parcerias institucionais para a realização de um inventário do patrimônio cultural, considerando as personalidades nos diversos setores e segmentos, bem como os respectivos túmulos e suas expressões artísticas e arquitetônicas.

 

 

Lido 3669 vezes
Entre para postar comentários