Todas as Notícias

Notícias 10 Agosto 2015

Dia dos Pais no Caju teve mensagens em árvores e distribuição de sementes

Quem visitou o São Francisco Xavier neste domingo pode homenagear seus pais com mensagens em balões autoadesivos e ganhar sementes de árvores para plantar em nome deles.

Terceira maior visitação do ano nos cemitérios, atrás apenas dos Dias de Finados e das Mães, o Dia dos Pais foi celebrado no Caju de um jeito novo: os visitantes receberam balões autoadesivos para escrever mensagens a seus pais e serem afixados em quatro árvores cenográficas criadas especialmente para a data. Além disso, ganharam envelope com sementes de diferentes tipos com a frase 'plante uma árvore para homenagear seu pai'. Cartazes colocados na entrada do cemitério e uma equipe de funcionários orientaram os visitantes.

A iniciativa da Concessionária Reviver foi bem recebida pelos visitantes, cujos pais continuam eternizados na memória e no coração.

Em diversos outros cemitérios públicos e particulares do Rio de Janeiro aconteceram cerimônias religiosas em homenagem ao Dia dos Pais.

 

Notícias 04 Agosto 2015

Cemitérios da Reviver ganham Central 0800

Para unificar suas ações de relacionamento com os clientes e controlar a qualidade dos atendimentos, a Concessionária Reviver está centralizando no 0800 022 1650 todos os seus telefones. Com a decisão, os cemitérios São Francisco Xavier - Cajú, Murundú - Realengo, Ilha de Paquetá, Santa Cruz, Ricardo de Albuquerque, Ilha de Guaratiba e Cacuia - Ilha do Governador, além do Crematório do Caju, passam a atender pela central 0800, que vai encaminhar e acompanhar as soluções.

Notícias 24 Julho 2015

Bom dia com mais segurança nos cemitérios da Reviver

Todos os dias o Setor de Segurança do Trabalho da Concessionária Reviver percorre os sete cemitérios sob sua concessão para falar sobre a necessidade do uso de Equipamentos de Proteção Individual - as EPIs. A rotina começa na abertura do expediente, quando o Técnico Marcus Molina reune as equipes dos diversas áreas operacionais para conscientizar, antes de fiscalizar. Segundo o profissional, "este é um trabalho sem fim, mas que sempre apresenta bons resultados". "Algumas boas práticas dependem de ações educativas e punitivas para que a cultura do improviso seja definitivamente abandonada", afirma.

Notícias 22 Julho 2015

Cemitério do Caju inaugura o Projeto REVIVERDE com Centro de Triagem de Resíduos

Disposto a se tornar sustentável, o tradicional Cemitério do Caju, o maior do estado do Rio, começou a desenvolver o Projeto REVIVERDE. Entre as atividades, inaugurou o primeiro Centro de Triagem de Resíduos da cidade, onde cinco caçambas recebem resíduos de construção (entulhos de obras), de varrição (galhos, folhas e coroas de flores), de exumação (roupas e ornamentos de urnas), de produtos recicláveis (plásticos, metais, madeiras e vidros) e de materiais orgânicos (lixo comum).

Além de treinar os funcionários para o manuseio seguro e o correto encaminhamento do lixo (na forma da Legislação de Resíduos Sólidos e Resoluções Ambientais), o projeto vai lançar campanhas de educação ambiental envolvendo também os visitantes. A Concessionária Reviver está fazendo do São Francisco Xavier um verdadeiro laboratório das inovações que pretende implantar nos demais cemitérios da rede, como o Centro de Triagem. Segundo o superintendente Ricardo Silva, a iniciativa integra o Plano Novo Caju, em implantação desde o início do ano, quando a Reviver assumiu parte dos cemitérios públicos do Rio de Janeiro.

Notícias 09 Maio 2015

Cemitérios do Rio estão preparados para os milhares de visitantes no Dia das Mães

Quem visitar qualquer um dos 13 cemitérios públicos da cidade do Rio de Janeiro neste segundo domingo de maio, vai encontrar uma homenagem ao Dia das Mães, organizada pelo Portal Cemitérios do Rio com o apoio das Concessionárias Rio Pax e Reviver. Milhares de pessoas passam pelos cemitérios nesta data, considerada a mais importante do calendário, depois de Finados.

As concessionárias Rio Pax (São João Batista, Inhaúma, Irajá, Pechincha - Jacarepaguá, Campo Grande e Piabas) e Reviver (São Francisco Xavier - Cajú, Murundú - Realengo, Ilha de Paquetá, Santa Cruz, Ricardo de Albuquerque, Ilha de Guaratiba e Cacuia - Ilha do Governador), que passaram a administrar os cemitérios em agosto de 2014 e janeiro de 2015, respectivamente, estão reformando e ampliando suas necrópoles. As instalações administrativas, operacionais e de atendimento ao público, as estruturas de serviços funerários e as capelas ecumênicas, bem como as diversas áreas dos campos santos, já estão recebendo melhorias e novos sistemas de controle, de comunicação e de segurança.

Seguindo as exigências do decreto municipal que mudou a centenária e conturbada gestão da Santa Casa, ambas as concessionárias protocolaram projetos de ampliação da capacidade de sepultamentos em todos os cemitérios, incluindo a construção de novos jazigos perpétuos e temporários, de ossários e nichos, de capelas, crematórios e outros serviços de padrão internacional. Algumas mudanças já são visíveis, como a limpeza e a recuperação dos ambientes, porém os administradores realizam ações emergenciais e recebem sugestões dos usuários, enquanto aguardam as liberações dos órgãos públicos para início de algumas dessas novas construções.

 


Recadastramento das Sepulturas

Donos de jazigos e ossários perpétuos também devem aproveitar a visita para atualizarem seus cadastros. Para que possam garantir seus direitos na nova legislação, é essencial manter atualizados os dados do titular e das pessoas autorizadas a solicitar sepultamentos ou outros procedimentos. Segundo a RioPax, que já abriu sua campanha com o tema "Quem é vivo sempre aparece", o recadastramento é um processo simples, que pode ser feito nos cemitérios da rede ou pelo site www.riopax.com.br. Após avaliação da documentação, será emitido um certificado digital conferindo o título de perpetuidade. O Grupo ReViver deverá anunciar sua campanha nos próximos dias.

 

Gostou? Siga e Compartilhe

Notícias 05 Maio 2015

Cemitério São Francisco Xavier, no Cajú, recebe amigos e familiares de Sarah Corrêa

Amigos e familiares da nadadora Sarah Corrêa, compareceram ao Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, para o velório e sepultamento da jovem de 22 anos. Com flores e bolas brancas nas mãos, pediram por justiça diante da violência e impunidade.

Medalhista de Prata nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, a jovem carioca faleceu em decorrência de um atropelamento enquanto esperava pelo ônibus no ponto. O motorista deixou o carro e fugiu sem prestar socorro. Paulo Soares, de 58 anos, que também aguardava a condução ao lado de Sarah, morreu na hora.

Com passagens pela seleção brasileira e por clubes como Flamengo, Minas Tênis Clube, Unisanta e Fluminense, Sarah se aposentou das piscinas em outubro de 2014 para se dedicar à carreira de modelo. Técnico da natação do Flu, Luiz Cláudio da Silva, o Lula, compareceu ao velório e entregou à mãe de Sarah uma bandeira para cobrir o caixão (a peça foi utilizada somente durante o velório) e lamentou muito a morte da nadadora, revelando que ela tinha planos de voltar a nadar pelo Tricolor.

Além da prata no revezamento 4x200m livre do Pan de Guadalajara, ela ficou em 15º lugar nos 800m livre no México. Nos Jogos Sul-Americanos de 2010, em Medellín, na Colômbia, a ex-nadadora conquistou a medalha de ouro no revezamento 4x200m livre, batendo o recorde da competição. Aos 16 anos, em 2008, ela chamou a atenção ao levar a prata nos 1.500m livre do Troféu José Finkel. No ano seguinte, voltou ao torneio e subiu ao topo do pódio.

Notícias 28 Abril 2015

Donos de sepulturas abandonadas correm risco de perder direitos

Quem tem parentes sepultados em jazigos, gavetas, columbários ou nichos de família, em qualquer dos cemitérios públicos da cidade do Rio de Janeiro precisa atualizar as informações de cadastro. É o que afirmam os novos concessionários que passaram a administrar os 13 cemitérios locais após a saída da Santa Casa: a Rio Pax (São João Batista, Inhaúma, Irajá, Jacarepaguá, Campo Grande e Piabas) e a ReViver (São Francisco Xavier - Cajú, Murundú - Realengo, Paquetá, Santa Cruz, Ricardo de Albuquerque, Guaratiba e Cacuia - Ilha do Governador)

Para que possam garantir seus direitos na nova legislação, é essencial manter atualizados os dados do titular e das pessoas autorizadas a solicitar sepultamentos ou outros procedimentos. Segundo os administradores, é um processo simples e rápido onde, após avaliação da documentação, será emitido um certificado digital conferindo o título de perpetuidade.

A RioPax, que assumiu em agosto de 2014, abriu sua campanha com o tema "Quem é vivo sempre aparece", para recadastramento direto nos cemitérios da rede, pelo site www.riopax.com.br, ou pelo telefone 0800 726 1100. A Reviver também atualiza as informações diretamente nos cemitérios, ou atende pelo 0800 282 5672.

 

Notícias 03 Março 2015

Consórcio passa a gerir sete dos 13 cemitérios públicos do Rio

RIO — A partir desta terça-feira, o consórcio Reviver assume o controle de sete dos 13 cemitérios públicos do Rio, pondo fim a mais de um século de gestão da Santa Casa de Misericórdia. A concessionária pagou R$ 30 milhões pela outorga e administrará por 35 anos o segundo lote licitado no ano passado. O conjunto é formado pelo maior cemitério do Rio, o São Francisco Xavier, no Caju, além de Murundu (Realengo), Cacuia (Ilha do Governador), Ricardo de Albuquerque, Paquetá, Santa Cruz e Guaratiba.

Com a mudança, informou o secretário municipal da Casa Civil, Guilherme Schleder, poderá ser observada uma série de melhorias nos serviços. Entre as obrigações mais urgentes estão melhorar a acessibilidade, a conservação e a limpeza dos espaços, e implantar climatização das salas de velório, padronização de tarifas e digitalização dos registros.

SERVIÇO SERÁ TABELADO
Os serviços vão seguir uma uma tabela com preços fixos. A localização de cada túmulo, assim como o registro de sepultamento, passa a ser digitalizada. Com isso, espera-se que não se repitam os escândalos associados à construção e venda ilegal de túmulos em cemitérios públicos.

— Agora, toda a gestão do espaço passa a ser informatizada, e os serviços, tabelados. A gente terá como fiscalizar, e o serviço respeitará regras. Assim poderemos cobrar e tomar medidas caso as obrigações não sejam cumpridas — afirma o secretário da Casa Civil, que cita como exemplo as mudanças já em prática em outros cemitérios concedidos à iniciativa privada:
— De cara, você entra no lugar e encontra todos os funcionários uniformizados, recebe um atendimento correto e se sente mais confortável num espaço limpo.

O prazo para que as concessionárias que administram os cemitérios cumpram as obrigações contratuais varia. A revitalização do espaço e a informatização do sistema, entre outras exigências, devem ser feitas em até dois anos. Já a adoção do regime de sepultamento em jazigo social em substituição ao serviço de sepultamento em cova rasa — que passa a estar disponível somente para os credos religiosos que exigem o enterro em solo — , deve ser feita em até dez anos. No Rio, morrem cerca de 5.500 pessoas por mês. Dessas, aproximadamente 3.800 (69%) são sepultadas nos cemitérios públicos.


Fonte: Jornal Extra O Globo

 

Notícias 10 Fevereiro 2015

Limpeza de lápides nos cemitérios do Rio muda para evitar desperdício de água

No Cemitério São João Batista, funcionários devem usar panos úmidos. No Caju, parentes são orientados a levar água de casa. (Foto: funcionário substitui máquina de pressão por pano úmido no São João Batista - Pablo Jacob / Agência O Globo)

RIO — Alarmados com a crise hídrica, os cemitérios do Rio também estão tomando medidas para economizar água. No início deste mês, a concessionária que administra o São João Batista, em Botafogo, suspendeu por 60 dias a lavagem de jazigos. Já no Cemitério de São Francisco Xavier, no Caju, familiares são orientados a levar água de casa. E, no vizinho Cemitério da Penitência, equipamentos controlam o consumo.

No São João Batista, onde se encontram os túmulos de personalidades como Tom Jobim, Carmen Miranda e Clara Nunes, funcionários foram orientados a fazer a limpeza com pano úmido até abril. Além disso, a recuperação de lápides históricas e da fachada do cemitério, administrado pela Rio Pax desde agosto do ano passado, foi interrompida. A restrição se estende aos cemitérios de Irajá, Inhaúma, Jacarepaguá, Campo Grande e Piabas, também geridos pela concessionária. A expectativa é economizar 150 mil litros.

— Temos 30 zeladores cadastrados no São João Batista. Com uma mangueira, até cem litros são gastos na limpeza de um jazigo. São no mínimo três mil litros por dia — disse Lourival Panhozzi, diretor dos cemitérios da Rio Pax.

Há três meses, a concessionária até comprou uma máquina com jato de pressão, que reduz em 90% o consumo de água. Mas, com a nova restrição, o equipamento foi deixado de lado.

Os culpados pelo desperdício também podem ser encontrados além dos muros. Segundo Panhozzi, em seis meses a concessionária já descobriu oito ligações clandestinas de água feitas por pessoas que vivem nos arredores de seis cemitérios. Em apenas um deles, a conta chegou a R$ 30 mil mensais.

No complexo de cemitérios do Caju, o consumo também foi restringido. No da Penitência, foram investidos R$ 3 mil na instalação de equipamentos que monitoram o abastecimento e os níveis das caixas d’água. A estimativa é de 15% de economia. Já no São Francisco Xavier, o registro passou a ficar aberto pela metade durante o dia. Segundo a administração, se parentes querem limpar os túmulos, são orientados a levar água de casa

 

(BARBARA MARCOLINI, O GLOBO, 10/02/2015 5:00)

Fonte Jornal O Globo

Notícias 29 Outubro 2014

Consórcio Reviver assume gestão de sete cemitérios públicos

Foi oficializada na edição desta quarta-feira (29) do Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro a concessão de sete dos 13 cemitérios públicos da cidade ao Consórcio Reviver. Os outros seis já estão sob o comando do Consórcio Rio Pax. As duas concessões colocam fim ao centenário monopólio da Santa Casa nos serviços cemiteriais e funerários da capital fluminense.

Passam a ser geridos pelo Grupo Reviver os cemitérios São Francisco Xavier (Caju), do Murundu (Realengo), de Paquetá, Santa Cruz, de Ricardo de Albuquerque, Guaratiba e da Cacuia (Ilha).

Ao consórcio Rio Pax — que inclui a Agência Funerária Rio Pax, a empresa Solucard e a Funerária Cintra — foram concedidos os cemitérios São João Batista (Botafogo), de Jacarepaguá, Irajá, Inhaúma, Campo Grande e Piabas (Vargem Grande).

O prazo de concessão aos dois consórcios é de 35 anos. O valor de outorga pago pelo Rio Pax é de R$ 13 milhões, enquanto a outorga do Reviver ficou em R$ 70 milhões.


Fim do monopólio após denúncias de fraudes

De acordo com a Prefeitura do Rio, o contrato de concessão dos cemitérios à Santa Casa venceu em 2009. Uma licitação para exploração dos serviços funerários foi aberta após o encerramento do contrato, mas o processo foi impugnado por falta de projeto básico, o que manteve a Santa Casa gerenciando os 13 cemitérios até que um esquema fraudulento de vendas e construções ilegais de sepulturas veio à tona.

As fraudes foram denunciadas em julho de 2013 por meio de uma reportagem produzida pelo Fantástico. Logo em seguida a Delegacia Fazendária fez uma operação para investigar o esquema.

As investigações levaram o Ministério Público do Rio de Janeiro a denunciar 24 pessoas pelos crimes de estelionato, corrupção passiva, formação de quadrilha, construção não autorizada em solo não edificável, apropriação indébita.

Entre os denunciados estava o provedor da Santa Casa, Dahas Chade Zarur, contra quem o MP pediu a prisão preventiva, assim como de mais três funcionários da instituição, Raimundo Marcelo de Oliveira, Augusto José dos Santos e Djalma Castilho, por irregularidades e fraudes fiscais nas vendas de jazigos e imóveis de propriedade da instituição entre julho de 2004 e agosto de 2013.

De acordo com a denúncia, Dahas era o chefe do esquema criminoso. Ele atuava em conjunto com os administradores por ele nomeados e funcionários dos 13 cemitérios públicos da cidade. Além de vender irregularmente os jazigos, muitas vezes por valores acima da tabela, as transações eram feitas sem a emissão de notas fiscais ou por intermédio de notas fiscais frias.

O MP estimou que as fraudes somaram cerca de R$ 21 milhões. Segundo o órgão, Dahas Zarur chegou a determinar o fechamento da tesouraria da instituição, em junho de 2010. Com isso, ele eliminou o controle contábil das entradas financeiras relativas aos cemitérios e facilitando o desvio do dinheiro para seu patrimônio pessoal.

(CBN, Portal G1, 29/10/2014)