Todas as Notícias

Notícias 09 Julho 2020

40 sem Vinícius e 30 sem Cazuza. E por falar em saudade, onde andam vocês?

Avalie este item
(0 votos)

"Chega de Saudade!"

O brado poético de Vinícius de Moraes bem poderia ser tema de um filme sobre a pandemia de coronavírus, que no ano de 2020 marcou para sempre na história da humanidade. Longe dos amigos e dos amores, a perda de familiares queridos, vítimas da Covid-19, deu novo significado para a dor da saudade, eternizada em tantas canções. Mas enquanto esse tempo ruim não passa, as pessoas seguem fazendo tudo "pro dia nascer feliz", como cantou Cazuza.

"E por falar em saudades, onde andam vocês?"

Pela primeira vez nesses 40 anos sem Vinícius e 30 anos sem Cazuza, o 9 julho e o 7 de julho foram datas de pouco movimento no São João Batista. As visitas e homenagens dos fãs foram adiadas, seguindo as recomendações da Prefeitura do Rio e da Organização Mundial da Saúde - OMS, contra aglomerações em velórios e cemitérios.

 

Projeto Cultural e Turismo Cemiterial

Desde que assumiram a gestão dos cemitérios públicos do Rio de Janeiro, as Concessionárias Rio Pax S.A. e Reviver S.A. adotaram o Projeto Cultural Queridos para Sempre! que identifica o patrimônio histórico e abre essas informações para a visitação pública.

Hoje, quem visita os principais cemitérios do Rio, berço da história do Brasil, encontra um código QRidos em vários jazigos de personalidades e pessoas famosas. Basta apontar o smartphone ou tablet na direção do código de barras gravado em placa de aço, para saber mais sobre quem está sepultado ali, suas obras, fotos, vídeos, textos biográficos e eventuais curiosidades.

A novidade começa na entrada do cemitério, onde um código gravado em totem ou placa de acrílico, abre as páginas dos homenageados pelo projeto cultural. Implantada inicialmente no Japão e Estados Unidos, a tecnologia permite que qualquer pessoa com celular e internet, aproveite as experiências do Projeto Cultural, que pode incluir visitas guiadas, realidade virtual, e até apresentações de teatro e música em datas especiais.

Segundo o consultor Edvaldo Silva, o Queridos para Sempre! foi criado para encantar as pessoas com informações prontas e desenvolver tecnologias que facilitem pesquisas futuras. Aliás, o maior desafio é justamente saber onde estão enterradas as pessoas que fizeram nossa história. Então, observadas as peculiaridades locais e regionais, o Projeto estabelece parcerias institucionais para a realização de um inventário do patrimônio cultural, considerando as personalidades nos diversos setores e segmentos, bem como os túmulos nas diversas expressões artísticas e arquitetônicas. Desta forma, desvenda parâmetros para as necessárias ou sugestivas intervenções decorrentes deste levantamento inicial, principalmente em face da responsabilidade dos entes públicos sobre a guarda, restauração e preservação de referências culturais.

Em resumo, a proposta é: Pesquisar e identificar os Queridos para Sempre! do cemitério; Prestar Homenagem Digital através de Páginas Eletrônicas e Placas Codificadas; Divulgar os resultados em mapa digital, para ações culturais e visitas autoguiadas ou monitoradas. Os milhares de visitantes desses locais podem conhecer ou lembrar detalhes da vida de seus heróis e ídolos enquanto caminham pelas obras assinadas por grandes nomes das artes plásticas e da arquitetura tumular. Códigos QRCode, criados para celulares com internet, estão identificando os túmulos escolhidos para o novo roteiro de interesse turístico da cidade.

O Projeto Cultural Queridos para Sempre! mudou a forma de se escrever epitáfios e homenagens nas lápides e monumentos históricos. Segundo o professor e historiador Miltom Teixeira, "o turismo cemiterial ganhou uma ferramenta moderna e inovadora, essencial para dar novo significado aos espaços cemiteriais do Brasil, além de amenizar os inevitáveis temas da morte".

  

 

O Projeto no Cajú

Pouca gente sabe, mas personalidades como Tim Maia, Emilinha Borba, Cartola, Dona Zica, Dona Neuma, Dolores Duran, Jamelão, Noel Rosa, Elizeth Cardoso, Paulo Sérgio, Ernesto Nazareth, Waldick Soriano, Procópio Ferreira, Barão do Rio Branco, Bezerra de Menezes, Presidente Figueiredo e dezenas de outros músicos, atores, escritores, poetas, médicos, benfeitores, educadores, empreendedores, militares, nobres e autoridades do Império e da República, descansam no Caju, nome popular do Cemitério São Francisco Xavier.

 

 

São João Batista

Único da zona sul da cidade, o São João Batista é um dos mais ornamentados do país. Pela grande quantidade de artistas, atletas, políticos e outras pessoas famosas, é conhecido como "o cemitério das estrelas", com centenas de mausoléus e esculturas. Personalidades como Carmem Miranda, Santos Dumont, Cazuza, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Donga, Clementina de Jesus, Heitor Villa Lobos, Osvaldo Cruz, Di Cavalcanti, Cândido Portinari, Oscar Niemeyer, Clara Nunes, Chacrinha, Vicente Celestino, Nelson Gonçalves, Didi Folha Seca, Marechal Rondon, além de nove ex-presidentes da república e imortais da Academia Brasileira de Letras estão entre os mais visitados, inclusive por turistas e pesquisadores de outros países.

 

Lido 5905 vezes
Entre para postar comentários