Todas as Notícias

Notícias 27 Setembro 2018

A história do Rio de Janeiro, antes e depois do novo Cemitério da Penitência

Avalie este item
(0 votos)

Quando os historiadores do futuro visitarem o passado, dirão que um dos marcos da evolução cemiterial do Rio de Janeiro foi a inauguração do Complexo da Penitência, neste dia 26 de setembro.

Inaugurado pelo Imperador D. Pedro II, em 1858, no mesmo período dos famosos cemitérios dos Ingleses, São Francisco Xavier, São João Batista, Catumbi e Carmo, o “Cemitério da Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência do Cajú” promete protagonizar a história das instituições privadas, sem perder suas tradições culturais.

Sob a gestão do Grupo Cortel, o empreendimento ganhou novas instalações e serviços considerados inéditos para o Rio. As mesmas tecnologias e cuidados ambientais que a empresa gaúcha desenvolve em sua rede, abrindo diferentes possibilidades de sepultamento.

 

Jazigos Verticais e Parque

A maior construção é o cemitério vertical de oito andares e capacidade para 25 mil unidades de jazigos sustentáveis, produzidos com resinas recicladas, onde até a qualidade do ar e a emissão de gases são controladas por sistemas inteligentes.

Na horizontal, além dos jazigos tradicionais, a novidade é o cemitério parque (sepulturas em salas subterrâneas organizadas em formato de gavetas, na vertical). As sepulturas temporárias (de 3 a 5 anos) e os nichos (onde podem ser depositados restos mortais), continuam sendo opções dos familiares.

(foto-Fabiano-Martinez)

 

Crematório e Columbário

A inauguração do crematório, com fornos de última geração e absoluto controle ambiental, inspirou a abertura do columbário (sala com espaços personalizados para a guarda das urnas com as cinzas e objetos das pessoas queridas).

 

Salas Ecumênicas e Despedida

Com as obras de ampliação, o Cemitério e Crematório da Penitência também ganhou dez capelas – sendo duas grandes salas ecumênicas para até 150 pessoas – com acústica, sistemas de projeção e confortáveis poltronas. Ambiente perfeito para cerimônias de despedida que atendam aos mais inusitados “últimos desejos”, com cerimonialista para homenagens, trilha sonora, música ao vivo, vídeos, chuva de pétalas de rosa, gelo seco, transmissão online e outros efeitos especiais.

Aliás, os velórios personalizados, que podem ser planejados como verdadeiras festas de despedida, é novidade que chega ao Rio de Janeiro, porém bastante conhecidos de diversas capitais e grandes cidades brasileiras.

Segundo o superintendente do Penitência, Alberto Brenner Júnior, “no Rio Grande do Sul, os cerimoniais personalizados acontecem há cerca de dez anos. Acreditamos que seja uma forma de homenagear entes queridos, amenizando a dor dos parentes e amigos.

 

Solenidade Prestigiada

Convidados de diversos segmentos do setor público e privado foram recepcionados pelos diretores da instituição e por uma equipe muito bem treinada em atendimento ao cliente.

Antes da “simulação” de uma emocionante cerimônia de despedida, pronunciamentos de autoridades destacaram a importância do complexo cemiterial para a cidade e região. A coordenadora-geral de Cemitérios e Serviços Funerários da Prefeitura do Rio de Janeiro, Daniela Mantovanelli, garantiu que “isso tudo é somente o começo”, considerando o padrão de qualidade de atendimento em implantação na Prefeitura do Rio, entre os cemitérios públicos e privados. Para a coordenadora, era preciso “devolver dignidade às famílias, respeitar valores culturais e preservar tradições. E os administradores do Penitência colocam o município nesta condição de excelência profissional”, disse.

Ao jornal Cemitérios do Rio, o Secretário Municipal de Conservação e Meio Ambiente, Roberto Nascimento da Silva, elogiou a forma como os projetos de construção e de ampliação dos serviços funerários e cemiteriais da cidade, estão buscando soluções inovadoras em atendimento as recomendações da legislação ambiental. Como exemplo, Roberto citou os conceitos de sustentabilidade presentes na obra, que utiliza luz natural e fibras recicladas, além de reaproveitar água das chuvas, armazenada em um reservatório de 60 mil litros, para uso nos jardins do cemitério parque.

 

Foto da Capa:

A fita inaugural foi cortada por Daniela Mantovanelli e pelo Frei Francisco, responsável pela entidade religiosa ligada ao Penitência.

 

 

 

 Alguns momentos da festa de inauguração do novo complexo cemiterial do Rio de Janeiro:

 

O superintendente Alberto Brenner Júnior recepciona a Coordenadora Geral, Daniela Mantovanelli.

 

 

Diretores da instituição e das empresas gestoras.

 

 

Presença do Secretário Roberto Nascimento e da Coordenadora Daniela Guedes, entre diretores do Grupo Cortel e representantes dos diversos segmentos do setor funerário e cemiterial. Veja outros momentos:

 

 

 

 

 

 

 

Mídia

Veja Reportagem Divulgação
Lido 2662 vezes