Cemitérios Públicos

Notícias 05 Julho 2017

Cemitérios do Rio de Janeiro transformam covas rasas em jardim

A Concessionária Reviver está transformando a paisagem dos cemitérios públicos sob sua responsabilidade na cidade do Rio de Janeiro. Enquanto cumpre o cronograma definido pelo processo de Concessão, que vai substituir as covas rasas por jazigos sociais, decidiu plantar amplos gramados nas quadras que receberam sepultamentos diretamente na terra, começando pelo cemitério de Ricardo de Albuquerque, na zona norte.

A iniciativa integra a terceira fase do Projeto ReviVerde, que já identificou espécies animais em suas unidades e realiza campanhas de preservação e educação ambiental. Para o engenheiro Sandro Augusto Lobo Moreira, o plantio de grama complementa as ações de combate às erosões, evita o crescimento de mato e inibe o aparecimento de roedores e vetores. Porém, segundo o administrador Marcos Piter Pinto, além dos ganhos ambientais, a decisão tem agradado aos olhos dos familiares e visitantes, que aprovaram a beleza do novo cenário, visitam e fazem fotos do local. "Deu certo", comentou.

 

Rede Reviver - Depois da experiência bem sucedida, que incluiu o treinamento e a reciclagem dos funcionários da manutenção, os cemitérios de Realengo, Santa Cruz e Ilha do Governador já passam pela mesma transformação. O centenário Cemitério do Caju (foto) também está na programação da empresa, que nos próximos dias inaugura a primeira etapa dos milhares de jazigos sociais, construídos em modernas estruturas verticais com mínimo impacto ambiental.

Notícias 28 Janeiro 2017

Cemitérios alertam para proibição de crianças desacompanhadas dos pais

As equipes de segurança dos cemitérios administrados pela Concessionária Reviver S.A., no Rio de Janeiro, estão em estado de alerta contra a entrada de crianças desacompanhadas dos respectivos pais ou responsáveis.

A entrada de menores já é proibida por Decreto Municipal, porém com a chegada do verão, as brincadeiras com pipas e papagaios na vizinhança acaba terminando em invasões para perseguição das que foram cortadas com cerol, outra prática proibida. Além do risco de acidentes, pois acabam correndo pelas sepulturas sem prestar atenção, outras provocam danos ao patrimônio público e particular, como a quebra de tampos e ornamentos.

Notícias 06 Janeiro 2017

Mobilização contra o Mosquito da Dengue nos Cemitérios da Reviver

A Concessionária Reviver S.A. integra-se aos esforços da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, para a eliminação dos potenciais criadouros do mosquito transmissor da Dengue e outras doenças. Em todos os cemitérios sob sua gestão, os funcionários de campo estão orientados a identificar e eliminar qualquer reservatório de água parada, principalmente os vasos de flores naturais e as flores de plástico deixadas pelos familiares. 

Segundo as recentes reportagens publicadas no jornal O DIA, existe grande risco de que os números das contaminações cresçam muito na cidade e no estado.

 

Especialistas alertam para risco de nova epidemia de chikungunya no RJ

Secretaria Municipal de Saúde estima que até três milhões de pessoas possam ser infectadas com a doença durante o verão.

Nessa época do ano é preciso tomar muito cuidado com as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. No Rio de Janeiro, a preocupação é com a chikungunya. Os especialistas e a prefeitura estão prevendo que a cidade enfrente uma epidemia agora no verão.

Os sintomas da doença são dor de cabeça, febre, dor muscular e nas articulações, náuseas, manchas avermelhadas na pele e até queda de cabelo. As sequelas da doença podem durar por vários anos.

Nos anos anteriores a grande vilã era a dengue. Mas para a Fundação Osvaldo Cruz esse pode ser o verão da chikungunya. Como o vírus ainda é recente na cidade, poucas pessoas têm os anticorpos da doença. Então, a população fica mais vulnerável. No ano passado, quase 14 mil pessoas tiveram a chikungunya. O número equivale a menos de 0,5% da população carioca. Segundo a Fiocruz, esse ano a doença pode atingir 20% da população, o que significa mais de 1,2 milhão de pessoas.

Para a Secretaria Municipal de Saúde, o número de infectados deve ser ainda maior. “É de 30% a 50% e chegar a até três milhões de pessoas infectadas”, diz Carlos Eduardo De Mattos, secretário de Saúde do Rio de Janeiro.

A secretaria treinou diretores de hospitais e postos de saúde para o atendimento às vítimas do mosquito Aedes aegypti.

Notícias 14 Novembro 2016

Deu no Extra: Cemitérios oferecem página em livro virtual para homenagear mortos.

O epitáfio, que resume em uma frase, precedida do “aqui jaz”, tudo que o morto representou em vida para familiares e amigos, parece estar com os dias contados. A internet sepultou as homenagens curtas. Agora, é possível fazer a biografia da pessoa que partiu, rechear com fotos e vídeos e armazenar na nuvem, para ser consultada por parentes e amigos em qualquer tempo e lugar, por meio de celular ou computador.

Rosilene e a filha, no túmulo da mãe, usam cartão com código para acesso à página Foto: Rafael Moraes / EXTRA

A novidade, batizada de "Dears Book" (Livros dos Queridos), é uma extensão do “Queridos Para Sempre”, que em dois anos cadastrou 200 personalidades no cemitério São João Batista, em Botafogo, e cem no Caju, na Zona Portuária. O serviço agora chega aos outros mortais, desde que os familiares paguem de R$ 800 a R$ 1.200, dependendo da complexidade da pesquisa.

A pessoa ainda recebe cem cartões com código de acesso às informações, para distribuir entre familiares e amigos, e a senha que permite atualização, incluindo comentários. A lápide também ganha código (Qr) para visualizar a biografia durante visitas. As informações também estão na internet (www.queridosparasempre.com.br). A vendedora Rosilene Silva de Souza, de 46 anos, recorreu ao projeto para perpetuar a memória da mãe Maria Helena Silva de Souza, morta em abril, aos 65, e sepultada no Jardim da Saudade, em Sulacap.

— É a forma de preservar a memória dela para as futuras gerações. Minha mãe era uma pessoa humilde, mas deu um grande exemplo ao criar três filhos sozinha — afirmou.

 

Reportagem de Geraldo Ribeiro

Leia mais: Jornal Extra

Notícias 01 Novembro 2016

Cemitérios Públicos recebem público com novidades

O cemitério São Francisco Xavier, no Caju, o maior doRio de Janeiro, decidiu inovar. No próximo Dia de Finados (2), os visitantes receberão uma espécie de kit antissaudade, com um coração feito em espuma e no qual estará escrita a frase 'Quando a saudade apertar, aperte aqui'. É uma forma de aliviar a dor do ente querido que se foi.

Notícias 09 Outubro 2016

Ricardo de Albuquerque inicia plantio de árvores

Os primeiros 15 pés de Ipê Amarelo foram plantados no Cemitério de Ricardo de Albuquerque na última semana. A iniciativa, coordenada pelo Engº Sandro Augusto Lobo, é parte do Programa de Qualidade em implantação na rede de cemitérios sob responsabilidade da Concessionária Reviver S.A. na cidade do Rio de Janeiro.

Medindo mais de 2m de altura, os exemplares receberam adubação adequada e cuidados de empresa credenciada pelo Ibama, especializada em ações de reflorestamento, paisagismo e jardinagem.

 

Conheça a Flor Símbolo do Brasil

Espécie brasileira, o ipê-amarelo é encontrado em todas as regiões do país e sempre chamou a atenção de naturalistas, poetas, escritores e até de políticos. Em 1961, o então presidente Jânio Quadros declarou o ipê-amarelo, da espécie Tabebuia vellosoi, a Flor Nacional. Desde então o ipê-amarelo é a flor símbolo de nosso país.

Ipê é uma palavra de origem tupi, que significa árvore cascuda, e é o nome popular usado para designar um grupo de nove ou dez espécies de árvores com características semelhantes de flores brancas, amarelas, rosas, roxas ou lilás. No Norte, Leste e Nordeste do Brasil, são mais conhecidos como pau d’arco (os indígenas utilizavam a madeira para fazer arco e flecha); no Pantanal, como peúva (do tupi, árvore da casca); e, em algumas regiões de Minas Gerais e Goiás, como ipeúna (do tupi, una = preto). Conhecidos por sua beleza e pela resistência e durabilidade de sua madeira, os ipês foram muito usados na construção de telhados de igrejas dos séculos XVII e XVIII.

Hoje é muito difícil encontrar uma árvore de ipê-amarelo em meio à mata nativa, quando isso acontece, o espetáculo é grandioso e merece ser apreciado com calma e reverência. Podendo atingir até 30 metros de altura, o ipê em flor no meio da mata, contrasta com o verde das outras árvores.

As variedades de pequeno e médio porte (8 a 10 metros) são ideais para o paisagismo e a arborização urbana. A coloração das flores produz um belíssimo efeito tanto na copa da árvore como no chão das ruas, formando um tapete de flores contrastantes com o cinza das cidades (e dos cemitérios).

 

Curiosidade: As Cores do Ipê

Notícias 25 Julho 2016

Reviver adota tecnologia inovadora nas obras de ampliação dos Cemitérios do Rio

As obras de ampliação dos cemitérios da Concessionária Reviver serão realizadas com tecnologias inovadoras. A afirmação é do engenheiro Sandro Augusto Lobo, que coordena o Projeto Novo Caju, onde já estão em implantação quase 3.500 novos jazigos somente em uma das quadras.

Além da preservação do solo, os materiais empregados poupam energia e as partes modulares utilizam mínima quantidade de pedra e areia. Uma "fábrica" de módulos permite economia total de recursos naturais. A tecnologia inovadora foi testada em várias partes do mundo, com as mesmas condições climáticas.

Depois da série de obras emergenciais nos cemitérios sob sua responsabilidade, a Concessionária Reviver começou nesta quinta-feira, 23 de junho, a primeira etapa da ampliação da capacidade total dos cemitérios pelo Caju, o São Francisco Xavier. "Serão quase 3.500 novos jazigos somente em uma das quadras", garantiu o engenheiro Sandro Augusto Lobo, que coordena o Projeto Novo Caju.

Acompanhe os detalhes do projeto que já tramitou e recebeu aprovação dos setores públicos.

Notícias 28 Junho 2016

Cemitérios da Reviver ganham novas coberturas para as eças

A Concessionária Reviver iniciou a substituição dos velhos toldos que cobrem as tradicionais eças, as mesas em que são expostos os corpos que chegam aos cemitérios minutos antes do sepultamento, ou seja, quando não passam pelas capelas. Fabricados com estrutura metálica moderna e robusta, foram projetados para proteger mais pessoas nos dias ensolarados ou chuvosos, atendendo antiga reivindicação dos usuários. 

Os primeiros locais a receberem os melhoramentos foram os cemitérios da Ilha do Governador e de Ricardo de Albuquerque. Porém, segundo o coordenador Moisés Genovez, Realengo, Santa Cruz, Caju e Ilha de Guaratiba também estão na programação da empresa. A modernização dos cemitérios públicos do Rio de Janeiro faz parte de um amplo projeto que inclui ampliação da capacidade e qualidade total nas instalações e no atendimento.

 

Curiosidade:

Conforme o dicionário informal, desde antigamente, eça é o nome do estrado onde se colocavam os caixões para os corpos serem velados. Veja uma citação de trecho jornalístico do Correio do Povo de 1911: "Findo este, foi o ataúde retirado da alterosa eça e, à mão, conduzido até a travessa 1? de Março, no Campo da Redenção, sendo as alças muito disputadas." 

 

 

Notícias 05 Junho 2016

Projeto ReviVerde mostra responsabilidade ambiental da Concessionária Reviver

Depois da iniciativa de implantar projetos de preservação da memória cultural, com pesquisa e identificação dos jazigos de personalidades e de importância histórica e artística (Projeto Queridos para Sempre!), e de preservação do ambiente cemiterial, para destinação correta de resíduos da atividade cemiterial (Projeto ReviVerde), a Concessionária Reviver lançou neste 5 de junho - Dia do Meio Ambiente, o levantamento das espécies que procuram abrigo nos cemitérios sob sua responsabilidade: Caju, Ilha do Governador, Ricardo de Albuquerque, Realengo, Santa Cruz, Ilha de Guaratiba e Ilha de Paquetá.

Ambientalistas e biólogos trabalham para identificar as espécies da fauna brasileira e preservar seus abrigos, ninhos e filhotes. Segundo os primeiros resultados da nova fase do Projeto ReviVerde, milhares de aves e animais vivem no ambiente cemiterial do Rio atraídos pela quantidade de árvores produtoras de sementes e frutas, além da proximidade de matas e maciços florestais.

Ainda no mês de junho, visitantes, funcionários e vizinhos dos cemitérios da Reviver deverão receber noções básicas de educação ambiental, sobretudo para não depositar lixo e restos de alimentos no chão e sobre os túmulos; não acender velas fora dos locais indicados para cerimônias religiosas; não levar nem abandonar animais domésticos, como cães e gatos; não colocar gaiolas e armadilhas para pássaros e animais.

Durante a atualização cadastral, os usuários também são informados sobre o estado de conservação de seus túmulos, alguns construídos entre árvores nas décadas passadas e danificados por raízes que cresceram ao lado ou dentro deles. “A escolha das espécies corretas de arborização e decoração dos jazigos poderia evitar esses danos”, afirmam os novos gestores.

O ReviVerde inicia contato com os órgãos de saúde pública, para encontrar soluções ecológicas para cobras, aranhas, abelhas, marimbondos, pombos, morcegos, ratos e outros roedores e vetores que podem colocar em risco os funcionários e visitantes. Além disso, colabora com órgãos policiais e de fiscalização para coibir a colocação de gaiolas por caçadores e traficantes de animais que tradicionalmente agiam nestes locais, contra a Lei de Crimes Ambientais.

 

Espécies catalogadas em todos os cemitérios da Reviver:

Animais (Calango, Caxinguelê, Gambá, Mico Estrela, Tatu Peba, Teiú)

Pássaros (Andorinha, Anu Branco, Anu Preto, Beija-Flor Tesoura, Beija-Flor de Papo Branco, Bem-Te-Vi, Bico de Lacre, Cambacica, Canário da Terra, Coleirinha, Corruíra, Coruja Buraqueira, Curió, Fogo Apagou, Gavião Caracará, João-de-Barro, Maritaca, Pica-Pau, Jurití, Quero-Quero, Rolinha, Sabiá Laranjeira, Sanhaço Cinza, Saracura, Tiê Sangue, Tucano de Bico Preto, Viuvinha)

 

 

Ferramenta Tecnológica

Outra novidade é a disponibilização de QR Code para identificar essas espécies. Basta aproximar o smartphone do código digital, que o visitante terá em seu celular as informações referentes a cada tipo de animal que habita nos cemitérios do Caju, Cacuia, Guaratiba, Paquetá, Realengo, Ricardo de Albuquerque e Santa Cruz, que são administrados pela Concessionária Reviver.  

 

 

O Projeto acontece no Caju e em todos os cemitérios da Reviver

 

Notícias 07 Maio 2016

Cemitérios da Reviver recebem visitantes para as homenagens do Dia das Mães

Quem visitou os cemitérios São Francisco Xavier - Cajú, Murundú - Realengo, Santa Cruz, Ricardo de Albuquerque, Ilha de Guaratiba e Cacuia - Ilha do Governador, neste Dia das Mães, recebeu rosas brancas de presente. A homenagem da Concessionária Reviver aconteceu nos maiores cemitérios da sua rede, onde milhares de pessoas visitaram os jazigos particulares e públicos. 

Veja como foi o Dia das Mães nos Cemitérios do Rio:

Além de reverenciar a memória de seus antepassados, as famílias aproveitaram para atualizar as informações de seus jazigos, de acordo com a nova legislação municipal. Na Ilha de Guaratiba as mães também receberam rosas brancas em embalagens especialmente desenhadas para a data.

 

Na Ilha de Paquetá foi inaugurada a nova iluminação por holofotes, instalada pela Rio Luz na Rua Manoel de Macedo. A novidade vai garantir mais segurança ao local, além de permitir que os turistas apreciem a arborização do cemitério histórico também no período noturno. Outra antiga reivindicação da comunidade foi a volta das missas na pitoresca capela, uma vez ao mês.

Detalhe da Capela São Francisco de Assis, no Cemitério Histórico da Ilha de Paquetá.

 

 

Curiosidades sobre a obra artística de Pedro Bruno

Construido em 1860, por iniciativa da benfeitora Dona Escholástica Maria Lisboa para substituir o antigo local com mais de 90 anos, recebeu o nome de Cemitério de Santo Antônio, nome do santo que dava nome à atual Rua Manoel de Macedo.

Em 1933, a administração do cemitério passou a ser feita pela Prefeitura do antigo Distrito Federal, época em que o pintor Pedro Bruno fora designado pelo Prefeito Dr. Pedro Ernesto, para ser o ZELADOR ARTÍSTICO DO CEMITÉRIO, "cargo não remunerado e que o artista exerceu magistralmente, transformando o local num verdadeiro recanto de arte, como fez com toda a ilha."

No local da antiga casa de Dona Escholástica construiu a Capela do Cemitério, totalmente de pedras, e nela colocou dois de seus quadros, complementando o ambiente artístico: SÃO FRANCISCO DE ASSIS FALANDO AOS PÁSSAROS e CRISTO AO LUAR, ambos premiados. Também são de Pedro Bruno os projetos do muro frontal, do Cruzeiro, da Casa da Administração e do Mausoléu da Marinha, em homenagem aos soldados mortos na Revolta da Armada de 1893.

Nunca foram permitidos mausoléus, nem outros tipos de ostentações que pudessem fazer separação entre pobres e ricos e, assim, todas as sepulturas igualavam-se pelos mesmos padrões de simplicidade. A sepultura do Pintor é um bom exemplo de simplicidade. Idealizada e executada pelo seu amigo Augusto Silva, reflete bem todo o espírito artístico de Bruno, merecendo também ser visitada. Ao lado do cemitério dos humanos encontra-se outra obra de Pedro Bruno, o igualmente famoso e exclusivo Cemitério dos Pássaros.

Gostou? Compartilhe!

Tudo que você precisa saber sobre os cemitérios do estado do Rio de Janeiro, num só lugar! Mande Notícias

Entre nas Redes

         

Veja Mais

Legislação dos Cemitérios e Funerárias
Conheça o Decreto sobre as atividades cemiteriais e funerárias. Veja Mais

Curiosidades sobre os Cemitérios
O cemitério do Catumbi foi o primeiro do Brasil construído a céu aberto destinado a não-indigentes. Veja Mais

A Maior Galeria de Arte