Imprimir esta página
Inaugurado o Centro de Livros Cemiteriais do Rio de Janeiro
Notícias 14 Dezembro 2017

Inaugurado o Centro de Livros Cemiteriais do Rio de Janeiro

Avalie este item
(0 votos)

Aconteceu nesta quinta-feira, 14, a inauguração do Centro de Livros Cemiteriais do Município do Rio de Janeiro. A iniciativa pioneira vai reunir num ambiente absolutamente seguro, todos os livros de registro e controle de terrenos perpétuos e jazigos, encontrados desde que os sepultamentos foram proibidos nas igrejas e migraram para os chamados Campos Santos, começando pelo Caju, o primeiro cemitério público local e um dos maiores do país.

A implantação e as despesas operacionais do CELICEM-RJ, realização da Coordenadoria Geral de Controle de Cemitérios e Serviços - CGCS, órgão da SECONSERMA – Secretaria de Conservação e Meio Ambiente, foram custeadas pelas Concessionárias Rio Pax S.A e Reviver S.A, empresas vencedoras do processo de transferência da gestão dos cemitérios públicos do município, em 2014, cumprindo cláusula contratual nesse sentido.

O CELICEM-RJ vai operar com equipamentos de última geração e profissionais altamente especializados na restauração e preservação desses “manuscritos raros e absolutamente imprescindíveis para descendentes e historiadores”, garantiu o Coordenador da CGCS, Diógenes Dantas Filho.

Responsável pelos cemitérios e crematórios públicos e particulares do Rio, além de todos os outros estabelecimentos funerários, a Prefeitura vai permitir que além dos técnicos do setor, também pesquisadores credenciados utilizem dados de interesse público, como informações para elaboração de Planejamento Estratégico, ou o destino final das personalidades que escreveram a história das suas cidades e do Brasil, e se tornaram Queridos para Sempre!

 

A placa de inauguração foi descerrada pelo atual secretário, Jorge Felippe Neto e pelo presidente da COMLURB, Rubens Teixeira, o ex-secretário que incentivou o projeto CELICEM. Em sua fala, representando o Prefeito Marcelo Crivella, Jorge Felippe lembrou que “uma cidade que não olha para o seu passado, que não respeita a memória de seus falecidos, também não pode planejar o futuro das novas gerações”.

 

 

O grande desafio será o imenso trabalho de recuperação do acervo cemiterial, desde a higienização, restauração, digitalização e guarda dos livros com registros dos 13 cemitérios.

 

Pelas vitrines, o centro vai permitir o acompanhamento em tempo real de seu trabalho, inaugurando o novo espaço de pesquisa cultural e patrimonial da cidade.

 

 

Algumas presenças no evento:

 

 

 

 

 

Endereço: R. Maia de Lacerda, 167 - Estácio, Rio de Janeiro - RJ

Lido 7441 vezes
Entre para postar comentários